quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

FELIZ ANO NOVO

2015 foi um ano complicado para todos. Mas, está chegando ao seu final e o principal é não perder a esperança. 


Que venha 2016 com melhores fluídos, trazendo coisas novas e boas, mais oportunidades e melhores condições.

Que seja um ano de paz, harmonia e de muitas e muitas   realizações alegrias. Que os obstáculos que surgirem sejam facilmente transpostos. Que o otimismo vença o pessimismo; o riso prevaleça sobre o choro, que a força derrote as fraquezas. 

Este é o meu desejo a todos vocês.

Sueli Freitas

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

COPIAR DA LOUSA


Já repararam como algumas crianças copiam as tarefas da lousa? 

A maioria das crianças em início de alfabetização copiam as palavras escritas na lousa letra a letra. Nesta fase, esse modo de copiar é compreensível. Primeiro, porque ainda não dominam todos os símbolos e segundo, ainda não dominam a leitura.

Mas, o tempo passa. Muitas crianças que estão do final do segundo ano e daí para a frente, incluindo-se crianças maiores (6º, 7º e alguns do 8º ano) ainda mantém essa forma de cópia, porque ninguém observou e explicou como deveria ser feito. Crianças com deficiência intelectual também copiam dessa maneira, inclusive do próprio caderno. E de tanto copiarem dessa maneira vira hábito. E é um procedimento moroso, com forte tendência a erros ortográficos e de faltarem pedaços pela mistura de uma palavra com outra da linha de baixo. Se o que tiverem que copiar for grande, geralmente, demoram a realizar as tarefas. 

Como resolver este problema?

a) PALAVRAS SURPRESAS

É muito simples. Faça uns 10 ou 12 pedaços de papel na largura de uma régua e escreva palavras em cada uma. Essas palavras podem ser as trabalhadas nas dificuldades ortográficas, de um texto que está sendo estudado ou de nomenclatura de aspectos da gramática que precisa ser fixado. 


Dobre-as ao meio e cole-as no caderno da criança ou numa folha. Peça para a criança ler a palavra, fechar o papel (e não copiar a palavra) e escrevê-la sem olhar. Quando a palavra já estiver escrita por inteiro (e só nesta condição) poderá olhar novamente a palavra e fazer a autocorreção. Repita algumas vezes esta atividade, ora sorteando certo número de palavras, ora da forma descrita acima.

A medida que for encontrando facilidade, repita com duas palavras no mesmo papel. Por exemplo: 
menina bonita   -   casa velha   -   sapo nojento   

     
Repita várias vezes usando outras combinações de palavras. Quando novamente ficar fácil, passe para grupos de três palavras que podem ter relação ou não com a primeira. Ex:

melado / melão / melancia   -   casa / ditado / linguiça
   
   pente / boca / queijo   


Numa nova etapa, use frases curtas.Ex

A menina gosta de goiaba.

A borboleta machucou a asa.

Por fim, e este pode ser um jogo que envolva a classe toda, vá para a lousa e escreva uma palavra. Dê o tempo de leitura e apague. Espere que escrevam, Volte a escrever para que corrijam caso tenham errado. Siga o processo já descrito acima, seguindo os mesmos passos.

O QUE SE TRABALHA COM ESTE PROCEDIMENTO?

a) trabalha-se a leitura da(s) palavra(s). Uma palavra só é aprendida quando for lida.

b) desenvolve a sequência das letras e a ortografia. Uma palavra lida corretamente é escrita corretamente.

c) ajuda a criança a perceber os próprios erros por meio da autocorreção.

d) ao fechar o papelzinho, dá-se o tempo necessário usado  para desviar o olhar da lousa para o caderno mantendo a forma das letras e a sequência delas na memória operacional ou de curto prazo.

e) quanto mais palavras forem lidas, mais desafiador será para a memória.

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

JOÃO E MARIA - CONTOS DE FADA


OLÁ, PESSOAL !

Mais um conto de fadas para a criançada. Mas, será que os contos de fadas são só diversão ou um filme para passar o tempo de aula?

Claro que não! Pode-se promover várias atividades com eles. Enquanto se preparam para assistir ao vídeo podemos trabalhar alguns valores como o silêncio, o respeito ao colega, etc. Após assistirem, podemos trabalhar a compreensão oral da história, e resolver dúvidas promovendo assim um diálogo entre professores (ou pais) e as crianças e colocando em prática os conceitos e valores trabalhados em outras ocasiões.



Num segundo momento, podemos pedir que  desenhem a parte que mais gostaram ou a que acharam mais emocionante. Podem fornecer alguns materiais e pedir que construam bonecos de papel ou de sucata com os personagens ou ainda, fazer fantoches, dedoches ou palitoches, para que a história fique em pauta por alguns dias. Ou ainda, que preparem com papel ou roupas velhas o figurino para que elas mesmas possam representar a história teatralmente. Esse trabalho pode ser individual ou em grupo, onde pode trabalhar a socialização e a inclusão. 

Com os desenhos pode-se fazer uma exposição na classe ou num local da escola e que possam ser vistos por outras pessoas. Já com os fantoches, dedoches e palitoches pode-se fazer um teatro, trabalhando assim a linguagem e a expressividade oral.

Só então, podemos partir para a escrita com resumos da história toda (ou parte dela) onde se trabalha a escrita, a formação de frases, a gramática, além da ampliação do repertório vocabular.

Viram como não é só diversão?

Espero que aproveitem a ideia.

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

MODELISMO EM PAPEL

OLÁ PESSOAL!

As crianças de hoje em dia andam apresentando falta de habilidades manuais. Tudo o que fazem é clicar um botão, seja no computador, tablet ou celular. Por isso, desafiá-las os meus desenvolver a habilidade manual é necessário. E pode ser feito apresentando-lhes uma atividade nova e diferenciada. Eu lhes apresento o MODELISMO.

MODELISMO nada mais é do que a habilidade de montar objetos em três dimensões. E pode ser feito com papel, papelão, madeira, MDF ou sucata. Podem montar qualquer coisa (carros, navios, aviões, casinhas, árvores, flores) dependendo do interesse e da capacidade de cada um.

COMO FAZER O MODELISMO?

Fácil! A internet tem uma porção de sites especializados em modelismo. Quem estiver interessado, basta escrever "desenho de ... para montar" na busca e estará diante de uma infinidade deles. E você os encontrará assim:



Escolha o que seu preferido, copie, cole numa folha, amplie e imprima.  Cole a folha impressa num papel mais resistente para que não rasgue com facilidade e deixe a criança trabalhar sozinha. Ela deve recortá-lo e montar segundo as instruções do modelo. Nas primeiras vezes, ela precisará da orientação e assistência dos adultos. Depois que “pegar o gostinho”, fará tudo sozinha.

Vejam como ficam bonitos:




O QUE A CRIANÇA APRENDE COM O MODELISMO?

Enquanto monta o objeto, ela estará trabalhando a resolução de problemas de uma forma mais prática e aprendendo a enfrentar desafios, a importância de respeitar regras, orientações, informações. Estará desenvolvendo a paciência, o raciocínio, habilidades motoras e sensoriais, aprendendo a lidar com anseios, frustrações e realizações. Além de tudo é uma atividade relaxante e de convivência com pessoas de outras idades (pais, irmãos mais velhos, avós, tios, etc) e serve como passatempo também.


Além disso, estes objetos podem ser mote para outras aprendizagens escolares como: aprendizagem de alguma dificuldade de alfabetização, produção de frases e textos, problemas com cálculos. Podem ainda servir para construir maquetes usadas nas feiras de ciências.

sábado, 24 de outubro de 2015

ATENÇÃO, MINHA GENTE!

Aviso que o link das atividades da barra lateral está com problemas. Já enviei vários comunicado sobre isso para a equipe técnica do Blogspot, mas ainda não foi resolvido. Por favor, quem quiser acessar alguma atividade, anote o nome e entre pela busca do Google.

Obrigada pela atenção

Sueli Freitas

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

DOIS PENSAMENTOS PARA VOCÊ, PROFESSOR.


UM DIA ME PERGUNTARAM POR QUE EU ESCOLHI A DOCÊNCIA. E EU RESPONDI:

- EU NÃO A ESCOLHI, FOI ELA QUEM ME ESCOLHEU.
Prof Ivanilson



"ENSINAR É UM EXERCÍCIO DE IMORTALIDADE. 

DE ALGUMA FORMA CONTINUAMOS A VIVER 

NAQUELES CUJOS OLHOS APRENDERAM A VER

 O MUNDO PELA MAGIA DA PALAVRA.  

PROFESSOR ASSIM, NÃO MORRE JAMAIS".

Rubem Alves

domingo, 11 de outubro de 2015

CRIANÇA, HOJE É SEU DIA!



De repente

Ao lembrar dos brinquedos queridos 
Que ficaram esquecidos
Dentro do armário
Me bate uma saudade.

Me bate uma vontade
De voltar no tempo
De voltar ao passado
Mas nada acontece
Nada parece acontecer.
E eu choro.

Choro como o bebê que fui
E a criança que quero voltar a ser
Não quero crescer!



Que ninguém deixe morrer dentro de si a criança 
que já foi um dia.

Sueli Freitas

terça-feira, 6 de outubro de 2015

VAMOS VESTIR BONECAS DE PAPEL?

OLA, PESSOAL

Quem, na infância, nunca brincou de vestir bonecas de papel? E contar histórias com elas depois de vestidas?

Pois é, uma brincadeira tão legal e divertida, mas que ficou esquecida durante várias gerações. E hoje, está na moda outra vez. 

Além de ser bastante divertida, promove a habilidade do recorte, estética, combinação de cores, a coordenação motora, preensão digital, promove a criação e a contação de histórias, estimula o pensamento e a formação de frases orais,  e com isso, desenvolve a expressão e da linguagem oral e criatividade. Se quiserem, podem ainda desenvolver a escrita, trabalhar as nomeação das vestimentas de verão e inverno, a diferenciação das vestimentas de praia e da cidade, dormir e brincar etc. E uma porção de outras que você poderá inventar e usar em outras disciplinas.

Tenho aqui alguns modelos já prontos. Podem copiar, ampliar, imprimir e deixar rolar a brincadeira. Serve tanto para crianças com e sem deficiência intelectual. Quem quiser outras, é só procurar na barra lateral o blog "Bonecas de Papel" ou no Facebook (com o mesmo nome). 



   


  




Caso ainda prefira, procure no jornaleiro uma revista chamada "GUARDA-ROUPA FASHION", da editora GIRASSOL. Essa revistinha vem com as bonecas desenhadas, um conjunto pronto adesivado e moldes para as crianças criarem novos modelitos e folhas decoradas para serem usadas. Caso a criança queira manter a revista intacta (sem recortar a boneca) ela poderá pintar as roupas e desenhar estampas. É muito legal.

   

 

 PROFESSORA, você não precisa comprar uma revista para cada aluno. Como as bonecas tem um contorno claro, passe uma caneta hidrocor preta, escaneie e imprima. Veja o que minhas pimpolhas com DI fizeram:

 


E elas adoraram brincar de vestir as bonecas.

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

JOGO DA VELHA


OLÁ PESSOAL!

Este é mais um recurso que, além da diversão, é um ótimo trabalho pedagógico porque ensina ás crianças uma série do coisas que as tarefas escolares não chegam nem perto.  Falo de ensinar estratégias, de prever ou antecipar as ações do companheiro de jogo, de aprender a ganhar e a perder, de esperar a vez, de seguir regras, de melhorar o raciocínio e de tantas outras coisas mais.

É um jogo fácil, de rápido aprendizado porque possui poucas regras. Pode ser feito na lousa, numa folha ou ser mais sofisticado como este que mostro aqui. Pode ser jogado em qualquer canto, bastando levar um pedaço de papel e dois lápis.

O traçado do "tabuleiro" é simples também: bastam duas retas paralelas na vertical e duas na horizontal assim:
Para jogar basta combinar um simbolo para cada jogador (X ou O). E pronto, o jogo começa após decidir (ou tirar par/ímpar) quem vai fazer a primeira jogada. Assim, um da cada vez faz o seu símbolo no traçado. 

Quem colocar seus 3 (três) símbolos juntos, seja na vertical, horizontal ou diagonais vence o jogo. E por ser um jogo rápido, podem ser realizadas várias partidas.

A criança que joga comigo tem deficiência intelectual. E ganhou essa partida de mim.



 

Nesta outra partida, empatamos.

 


Vocês também podem trabalhar as operações matemáticas sugerindo um valor mais alto para quem vencer a partida e outro menor quando há empate. As crianças marcam os pontos que fazem e depois, no final do jogo cada uma soma os pontos que fizeram ou encontram a diferença entre os pontos do vencedor sobre os pontos do perdedor. 

Aproveitem a ideia que é muito legal. Mas não adianta jogar apenas um dia para conseguir os efeitos desejados. Repita-os várias vezes ou permita que seus alunos joguem por exemplo na hora do recreio ou estabeleça uns minutos para que joguem no final da aula.

Bom jogo e.... boas jogadas!



quinta-feira, 17 de setembro de 2015

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

JOGO DO MICO FEITO EM CASA


OLÁ, PESSOAL!


Como prometi, aqui está como se faz, em casa, um JOGO DO MICO e aproveitando materiais que você já tenha. Sobras de papéis coloridos são ótimos. Porém, se quiser reciclar e deixar mais resistente ao manejo, pode usar caixinhas de leite ou suco. 

Então vamos lá. 


1- Recorte quadrados ou retângulos (numa quantidade que seja múltiplos de 4 e mais 1) e do tamanho que desejar. Escolha no Google, a mesma quantidade de figuras masculinas e femininas (de acordo com a regra que está sendo trabalhada) no número de quadrados ou retângulos que você recortou. Podem ser coloridas ou para colorir. Lembre-se de escolher um macaco para o MICO. Diminua ou aumente o tamanho das figuras de acordo com o tamanho dos pedaços que você recortou. 

Cole numa folha branca e imprima.

 


2- Recorte e cole nos pedaços recortados e pronto. Se quiser pode plastificar com contact. Se usar caixa de leite, cole as figuras do lado de fora da caixa, para quando virar, ficarem todas prateadas. Ficam muito bonitas.

Este jogo é a segunda regra, onde os femininos são palavras diferentes do masculino


VARIAÇÕES:

Você pode usar este material de várias maneiras: 

a) Tire o mico ou acrescente o feminino dele. Serve para as crianças fazerem pareamentos. Com este novo jogo, as crianças treinam a leitura, fixam a escrita e aprendem o significado das palavras.


b) Acrescente novos femininos e masculinos, assim ampliarão o vocabulário.


c) Pegue apenas as figuras femininas e as masculinas são escritas em retângulos (não precisam ser da mesma cor) .



d) Numa outra ocasião, ofereça as figuras masculinas e cartões com os femininos.

e) Junte outras regras em cada etapa, e depois da jogada peça que separe as palavras de acordo com as regras contidas no jogo.


Espero que este jogo e as opções sejam proveitosas. Assim, só me resta desejar 

UM BOM TRABALHO!

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

FEMININO E MASCULINO PARA DEFICIENTES INTELECTUAIS


Ensinar gramática de nossa língua não é fácil. Aprendê-la, especialmente para os deficientes intelectuais, também não é. Muitos não se lembram do que aprenderam no dia anterior. Por isso, é um jogo de paciência, uma regra por vez e muita repetição.

INTUINDO O SIGNIFICADO DE MASCULINO E FEMININO

1ª regra - masculinos terminados em "o"

Desenho ou copio da internet algumas figuras de bichinhos (daqueles para colorir e bem conhecidos) cujo masculino termine em "o". Alguns tem lacinhos, vestidinhos, avental e os uso para formar os femininos. Para o masculino, retiro os que tem calças, gorros, chapéu, boné. Não precisam ser exatamente iguais. Mas, procuro deixá-los com um tamanho semelhante. Recorto, dou um colorido (ou deixo que a criança o faça) e colo no caderno.

Se o colorido for meu, peço para que ela circule os que parecem meninos. Caso contrário, peço para que ela dê o colorido. Quando terminam, eu pergunto: - Qual o nome deste bichinho? A criança os nomeia oralmente e escreve. E assim até terminar o exercício. 

Voltamos ao início, para nomear o par. Então pergunto: - Se este é um gato menino, como dizemos quando o gato é menina? A criança geralmente responde e escreve.

 

Terminado o exercício, explico que a palavra MASCULINO indica que é um bicho menino. A palavra FEMININO indica que bicho é menina.  Repito isso algumas vezes até que fixe na memória. Ora fazendo primeiro o masculino, ora o feminino.

VARIAÇÃO: você pode copiar da internet uma série de bichinhos masculinos e femininos e colar aleatóriamente numa folha e depois imprimir. A criança recorta todos e forma os pares. Se quiser, pode pedir que cole no caderno, nomear, fazer a leitura (se o nome do bicho estiver escrito) ou copiar os nomes em letra cursiva ou de imprensa, se este for o seu objetivo.

Quando a criança já aprendeu um bom número de palavras, jogamos o Jogo do Mico
com o nome dos bichinhos estudados. 


O jogo é formado por cartas de números ímpares (porque o Mico não tem par). Divido as cartas em três partes (para mim, para ela e outra para compra, já que trabalho individualmente com cada criança). Este jogo pode ser realizado com até 4 crianças e neste caso, o jogo deverá term um número de cartas que seja múltiplo de 4 + 1. Essa uma a mais é para o mico.

O jogo começa colocando as cartas voltadas para cima. Cada participante forma os pares de femininos e masculinos que puder com as cartelas que possui. As cartas que ficarem sem par, podem ser compradas do seu oponente, desde que seja a sua vez. E se ninguém tiver, compra-se do monte até que encontre a carta desejada. O mico deve ficar no monte de compras e perde o jogo quem pegá-lo.


Na próxima postagem, mostrarei como se faz um Jogo do Mico caseiro. Até lá e divirtam-se

domingo, 9 de agosto de 2015

SUDOKU DE FIGURAS CASEIRO

OLÁ PESSOAL!


Como prometi, vamos aprender a fazer o SUDOKU, um jogo bastante importante. Então, vamos ao passo a passo.

Escolha como base um material que seja durável. Pode ser papelão, papel cartão, EVA, madeira,  caixa de leite ou outro qualquer de sua preferência. E reserve.

Numa folha de sulfite trace 6 quadrados como na foto abaixo:




Reforce os traços deste esquema e recorte. Cole e recorte a base do tamanho do desenho (esquema).


Procure no Google Imagens 3 figuras do seu agrado. Se a figura for grande, diminua. Copie 3 vezes cada uma, recorte e cole em quadrados de papel um pouco menor que os quadrados de forma de forma a caber em cada espaço. 

Cole os quadradinhos já secos sobre o material da base restante para que não se estraguem com facilidade com o manuseio. E está pronto o Sudoku com figuras.

obs: Se preferir, plastifique o tabuleiro e as peças com Contact.

COMO JOGAR

Coloque uma figura diferente em cada quadrado do tabuleiro. Assim:



E peça para a criança colocar o restante das peças, com a condição de não repetir a mesma figura nem na linha, nem na coluna. Esta é a regra do jogo.

OBS: Crianças pequenas ou deficientes intelectuais  NÃO SABEM o que é linha ou coluna num tabuleiro. Por isso, ao ensinar o jogo, é preciso dizer que o "apontador "(por exemplo) não pode ficar embaixo de outro "apontador" e diga "ASSIM" (passe o dedo indicador para mostrar a linha ) ou "ASSIM" (faça o mesmo, para mostrar a coluna).

O jogo pronto deverá ficar desta maneira:



ATENÇÃO: Suponhamos que a criança erre e coloque duas figuras iguais numa mesma coluna por exemplo. Diga que algo não está certo e deixe que ela descubra onde errou. É mais uma forma de fazê-la direcionar o olhar na horizontal e na vertical.

VARIAÇÕES:

Se a criança tiver dificuldades repita o jogo com outras figuras. Podem ser personagens dos contos de fadas, objetos de casa, escolar ou pessoal, roupas de inverno ou de verão, de meninos e meninas e até mesmo, as formas geométricas básicas. Só mostre o erro, se perceber que ela não consegue de verdade.

Se notar que está muito fácil, aumente o número de quadrados tanto na linha, quanto na coluna. Mas um de cada vez, até ficarem 9 quadrados.


Boas Jogadas!

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

SUDOKU COMO RECURSO DIDÁTICO

OLÁ PESSOAL!

Hoje trouxe para vocês mais um recurso didático. Isso mesmo, o SUDOKU. Quem não o conhece ou nunca ouviu falar dele, não é mesmo? Mas vamos conhecê-lo um pouco mais.

O sudoku é uma evolução de três jogos antigos: do “Lo Shu Square”, do “Quadrado Mágico” e do “Quadrado Latino”.
LO SHU SQUARE,  o primeiro quadrado mágico do mundo.

O LO SHU SQUARE foi encontrado em manuscritos chineses de 2.800 a/C e é o mais antigo. Já os QUADRADOS MÁGICOS datam de 4000 anos atrás e aparecem em quase todos os livros de matemática. Ambos foram considerados objetos sagrados e disputavam importância com a religião e a astrologia no Egito e Índia antigos.

primeiros quadrados mágicos

No séc XVIII d/C, o QUADRADO LATINO é inventado pelo suíço Leonhard Euler, para o estudo de álgebra. Era jogo semelhante ao quadrado mágico, mas sua regra impedia que os números fossem repetidos mais que uma vez tanto nas como nas colunas. Na Paris de 1892, os jornais já publicavam os quadrados latinos como jogo de passar o tempo. No mesmo ano, o jornal Le Sièle publica um quadrado latino de 9 quadrados em cada linha e coluna, mas agrupados em quadrantes de 3 em 3.

Em 1984, já no século XX, o americano Howard Garns inventou o Sudoku dos tempos atuais. Tinha o nome de “Number Place” e foi publicado numa das revistas da Dell Magazine como um jogo de raciocínio. A partir de então, o jogo correu o mundo. Chegou ao Japão em 1984 e mudou de nome. Virou Sudoku, que significa “número (su) único (doku)”.

Em 1997, o primeiro software do jogo é criado por Wayne Gould e oferece a jornais ingleses. Mas, somente em 12/11/2004 o jogo é publicado pelo The Times. Então, virou mania mundial e com programas de rádio e de televisão. No Brasil, o jogo passou a ser divulgado, pela revista Coquetel, desde 1994, mas comportando números de 1 a 9 somente.

SUDOKU PARA CRIANÇAS  E DEFICIENTES INTELECTUAIS

Embora seja um jogo de raciocínio, ele tem uma outra importante finalidade. Alguns deficientes intelectuais tem uma dificuldade em perceber coisas bidirecionais, isto é, observar dados e informações que estejam na vertical e na horizontal ao mesmo tempo. Por isso, muitas dessas crianças atrapalham-se na leitura de gráficos, não conseguem preencher ou procurar informações em tabelas, preencher cruzadinhas ou descobrir palavras num caça-palavras e, inclusive na leitura.

Não são só os deficientes não. Muitas crianças não deficientes apresentam a mesma dificuldade. Mas não é uma só com uma jogada que trará os benefícios que esperamos. É pela continuidade e repetição do olhar.


Este jogo é da Indústria de brinquedos GROW.

Pode ser aprendido por crianças a partir de 3 anos, usando figuras em vez de números. Com deficientes intelectuais por volta dos 5 anos devido a maturidade cerebral que é mais lenta.


Na próxima postagem mostrarei como fazer um Sudoku caseiro para você ensinar seu filho ou aluno.

quarta-feira, 29 de julho de 2015

UM NOVO RECOMEÇO

As férias de julho estão acabando. Recomeça mais um tempo de correria, de expectativas, de muito trabalho e de ansiedade para professores e alunos.

Espero que este recomeço seja muito bom, cheio de alegrias, risos e de felizes encontros. 

FELIZ VOLTA ÁS AULAS
feliz volta ás aulas

quinta-feira, 23 de julho de 2015

FAMILIA, MAIS VERBOS, MEIOS DE TRANSPORTE, ANIMAIS, ALIMENTOS, CORES E PROFISSÕES

OLÁ GENTE! 

Mais uma aulinha de libras para vocês que alfabetizam crianças com deficiência auditiva na sala comum. Neste vídeo você encontra uma série de palavras de uso comum no dia a dia. Mas, são algumas. Se quiser, poderá procurar outras no Youtube.




Não se esqueçam de mostrar por meio do material concreto ou figura as palavras para que a criança surda ou com graves problemas auditivos possam compreender o significado dos sinais. Lembre-se que você sabe o que está fazendo, mas a criança não. Ela poderá pensar que você está brincando simplesmente. Daí a necessidade do concreto.

segunda-feira, 20 de julho de 2015

ENSINANDO NÚMEROS EM LIBRAS

OLÁ PESSOAL!


Como os números ensinar aos nossos alunos deficientes auditivos? Muito fácil. Assista vídeo ao, treine o bastante, para ensiná-los com segurança.  


domingo, 12 de julho de 2015

domingo, 5 de julho de 2015

VERBOS EM LIBRA

A linguagem dos deficientes auditivos é tão fluente quanto a dos falantes. Porém, há uma pequena diferença. Por isso, pais e professores, fiquem atentos ao avaliarem as lições desses alunos.

 Os falantes começam a expressão do seu pensamento pelo sujeito e depois o predicado. Por ex:
                         A menina saiu da sala.
                         A moça  gosta de sorvete.

Já a linguagem dos deficientes auditivos o predicado vem primeiro e, por último. o sujeito. Assim:
                         Saiu da sala a menina.
                         Gosta de sorvete a moça.

Por que isto acontece? Porque as ações são praticadas primeiro. É assim que eles pensam e se comunicam. Por isso, vamos aprender primeiro os verbos. Assistam ao vídeo.



segunda-feira, 29 de junho de 2015

VOCABULÁRIO BÁSICO EM LIBRAS


OLÁ, PESSOAL!

Vamos para mais uma aulinha de libras. Hoje trataremos do vocabulário básico, ou seja, cumprimentos e alguma ordens do cotidiano.


terça-feira, 23 de junho de 2015

VAMOS APRENDER LIBRAS?

OLÁ, GENTE!

Muitos professores se deparam com alunos surdos ou com problemas graves de audição e não sabem o que fazer. Embora seja permitido por lei que esses alunos sejam acompanhados por intérprete (famíliar ou profissional), sabemos muito bem que isso não acontece na maioria das escolas.

Então, o jeito é resolver o problema com uma solução criativa: aprendendo uma forma de estabelecermos uma comunicação. E para isso, a primeira coisa a aprender e a ensinar é o alfabeto em libras.

Não é difícil, mas exige observação e muitas repetições dos movimentos. Assistam ao vídeo e treine bastante.


sábado, 13 de junho de 2015

ATENÇÃO, LEITORES

Tenho recebido reclamações de algumas pessoas que, ao acessarem este blog, aparece uma janela convidando para entrar num grupo ou rede social.

Quero informar que NINGUÉM  está obrigado a participar desse grupo ou rede se NÃO FOR DE SUA VONTADE. Esta é uma prestação de serviço e NÃO OBRIGA NINGUÉM A NADA.

Está feito o alerta!

terça-feira, 2 de junho de 2015

JOGO DE VARETAS

Quem nunca jogou Varetas? 





Varetas é um jogo muito divertido e com sabor de infância. Tem regras muito fáceis de seguir e aprender. Depois de soltar os palitos e formar um emaranhado, retira-se um a um sem movimentar os restantes. Somente o palito preto tem o poder de ajudar a retirar outro palito. 



Retirados os palitos, é a vez da contagem: o preto (50 pontos), os azuis (20 pontos), os amarelos (15 pontos), os vermelhos (10 pontos) e os verdes (5 pontos) cada palito.

Pode ser jogado em grupo ou sozinho (servindo de desafio pessoal).
 


Por ser um jogo de estratégia trabalha um série de pontos importantes e necessários para as aprendizagens, tais como: fazer antecipações, observação, previsão, coordenação motora fina ,destreza e habilidade manual e o raciocínio. Serve também como auxiliar da Matemática na contagem dos pontos e promove a competição sadia quando jogado com um amigo ou um grupo deles.


Mas não é só isto que se pode fazer com o Jogo de Varetas. Com as varetas podemos construir figuras. Nas mãos de uma criança viram quadrados, retângulos, triângulos que logo viram estrelas, casas, prédios, carros, trens. É só deixar a imaginação delas entrar em ação.

Os trabalhos que apresento aqui foram realizados por uma criança de 4 anos.

 

 


Deixe seus alunos (filhos) usarem a imaginação. Muita coisa boa acaba aparecendo com certeza.

Se gostou da ideia, coloque em prática.