quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

CONTANDO DE 10 EM 10

Os atendimentos recomeçaram. E após uma pequena revisão para verificar o que ficou na memória dos conteúdos do ano passado, notei que esta criança se confundia toda na contagem de 10 em 10.

Enquanto terminava de fazer um exercício, preparei sobre um móvel as Barras Vermelhas e Azuis, um material montessoriano. Este material tem 10 cm em cada cor. Ele é todo em madeira e depois pintado como se vê na foto.

Podemos trabalhar várias conteúdos com este material. Eu o usei para trabalhar a contagem de 10 em 10 como objetivo principal. Para isso, a criança passou a transportar do móvel para a mesa trabalho, segurando cada barra pelas pontas e com dois dedos (indicador e médio). Ela começou pela barra menor e foi ajeitando sobre a mesa na sequência.

 Expliquei como deveria colocar sobre a mesa



                                       

Depois de montada questionei sobre qual barra era a maior, a menor, a mais longa, a mais curta, a intermediária. E ela foi respondendo a contento.

Mostrei a menor e disse que valia 10. Coloquei a barra no lugar. Peguei a segunda barra e apontando a parte vermelha disse: "vale 10" e  em seguida, apontando para a parte azul disse: "vale 10". E passando o  indicador sobre as duas partes disse: "vinte".

Repeti da mesma forma com a terceira barra e ao final disse: "trinta" e deixei que ela fizesse o restante. Ela quis recomeçar e repetiu direitinho. Trabalhamos o desenho das barras no caderno.

E antes de dar por encerrado o trabalho, voltamos a contar de 10 em 10, apenas olhando para as barras. E não é que acertou tudo novamente?

Mas não é só a contagem que podemos trabalhar com essas barras. Trabalhamos o sensorial com o simples manuseio. À medida que as barras vão aumentando de tamanho a criança percebe diferentes medidas. Ao dizer as palavras ligadas ao conteúdo trabalhado, desenvolvemos a oralidade e a compreensão dos fatos matemáticos.

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

RECOMEÇANDO OS TRABALHOS

As férias chegaram ao fim. Em algumas escolas as aulas já recomeçaram. um novo ano letivo recomeça e com ele, muito trabalho e muitas preocupações também.


A Grécia e sua mitologia tem um exemplo para isso: o Mito de Sísifo. Sísifo era um pastor e filho do deus do vento (Eolo). Inteligente e muito esperto  e malandro tentou enganar Zeus, o deus supremo do Olimpo. Porém, recebeu deste um  castigo por sua esperteza. Deveria rolar uma enorme pedra montanha acima. Mas toda vez que quase chegava  ao topo, a pedra escapava-lhe das mãos pelo cansaço produzido e rolava montanha abaixo. no dia seguinte, Sísifo retornava ao trabalho e de novo, perdia o trabalho realizado.


Nós, professores, temos um pouco de Sísifo no nosso trabalho. Temos sempre que recomeçar do mesmo ponto. Ano após ano. Nos esforçamos, nos preocupamos, vivemos procurando a melhor forma de fazermos nossos alunos a adquirir o conhecimento. Conseguimos boa parte de nossa jornada. E no último dia do ano letivo, os perdemos. Eles se vão para outra escola, para outra sala, outra turma. E nós, recomeçamos tudo outra vez. Mas não é um esforço desperdiçado. Entendemos como um processo do caminho de cada aluno.

E com este mito, quero desejar a todos os professores 

um feliz recomeço.

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

RAINHA DA NEVE


Olá amigos. Finalzinho de férias, não é mesmo? E logo, logo as aulas recomeçam. Então trouxe mais um conto de fadas para incentivar as crianças a agir com amizade e carinho para com os companheiros de turma.

Neste conto, as crianças aprenderão o valor da amizade e do companheirismo não importando os obstáculos que enfrentem. Um bom tema para o reinício das aulas. além disso, um pouco de magia não faz mal a ninguém.

Chame as crianças para assistir a este belo conto. E bom trabalho, boas conversas e muita ação.


terça-feira, 5 de janeiro de 2016

NOVO CONTO DE FADAS


Olá, pessoal! 

As férias estão aí, mas como segurar as crianças em um dia de chuva ou num dia que estão cansadas de brincar ou curtir a praia? Que tal assistir com elas este conto de fadas que é pouco conhecido delas? 


E depois do filme, uma boa conversa, trabalhando a oralidade, a expressão, a articulação das palavras, a interpretação do texto, a recontagem da história entre outras coisas que já foram citadas em outros vídeos. 

Uma outra dica é trabalhar alguns termos ou vocábulos desconhecidos e seus significado (sinônimo). Como por exemplo: generosidade, solidão, etc. Para isso, você pode fazer um jogo. Quem acertar o significado ou sinônimo marca ponto e ganha alguma coisa legal (um doce, um punhado a mais de pipoca, um beijo, ou outra coisa parecida). Assim, além de assistir ao filme, eles brincam, se divertem e ampliam o vocabulário.


Boas férias!

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

FELIZ ANO NOVO

2015 foi um ano complicado para todos. Mas, está chegando ao seu final e o principal é não perder a esperança. 


Que venha 2016 com melhores fluídos, trazendo coisas novas e boas, mais oportunidades e melhores condições.

Que seja um ano de paz, harmonia e de muitas e muitas   realizações alegrias. Que os obstáculos que surgirem sejam facilmente transpostos. Que o otimismo vença o pessimismo; o riso prevaleça sobre o choro, que a força derrote as fraquezas. 

Este é o meu desejo a todos vocês.

Sueli Freitas

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

COPIAR DA LOUSA


Já repararam como algumas crianças copiam as tarefas da lousa? 

A maioria das crianças em início de alfabetização copiam as palavras escritas na lousa letra a letra. Nesta fase, esse modo de copiar é compreensível. Primeiro, porque ainda não dominam todos os símbolos e segundo, ainda não dominam a leitura.

Mas, o tempo passa. Muitas crianças que estão do final do segundo ano e daí para a frente, incluindo-se crianças maiores (6º, 7º e alguns do 8º ano) ainda mantém essa forma de cópia, porque ninguém observou e explicou como deveria ser feito. Crianças com deficiência intelectual também copiam dessa maneira, inclusive do próprio caderno. E de tanto copiarem dessa maneira vira hábito. E é um procedimento moroso, com forte tendência a erros ortográficos e de faltarem pedaços pela mistura de uma palavra com outra da linha de baixo. Se o que tiverem que copiar for grande, geralmente, demoram a realizar as tarefas. 

Como resolver este problema?

a) PALAVRAS SURPRESAS

É muito simples. Faça uns 10 ou 12 pedaços de papel na largura de uma régua e escreva palavras em cada uma. Essas palavras podem ser as trabalhadas nas dificuldades ortográficas, de um texto que está sendo estudado ou de nomenclatura de aspectos da gramática que precisa ser fixado. 


Dobre-as ao meio e cole-as no caderno da criança ou numa folha. Peça para a criança ler a palavra, fechar o papel (e não copiar a palavra) e escrevê-la sem olhar. Quando a palavra já estiver escrita por inteiro (e só nesta condição) poderá olhar novamente a palavra e fazer a autocorreção. Repita algumas vezes esta atividade, ora sorteando certo número de palavras, ora da forma descrita acima.

A medida que for encontrando facilidade, repita com duas palavras no mesmo papel. Por exemplo: 
menina bonita   -   casa velha   -   sapo nojento   

     
Repita várias vezes usando outras combinações de palavras. Quando novamente ficar fácil, passe para grupos de três palavras que podem ter relação ou não com a primeira. Ex:

melado / melão / melancia   -   casa / ditado / linguiça
   
   pente / boca / queijo   


Numa nova etapa, use frases curtas.Ex

A menina gosta de goiaba.

A borboleta machucou a asa.

Por fim, e este pode ser um jogo que envolva a classe toda, vá para a lousa e escreva uma palavra. Dê o tempo de leitura e apague. Espere que escrevam, Volte a escrever para que corrijam caso tenham errado. Siga o processo já descrito acima, seguindo os mesmos passos.

O QUE SE TRABALHA COM ESTE PROCEDIMENTO?

a) trabalha-se a leitura da(s) palavra(s). Uma palavra só é aprendida quando for lida.

b) desenvolve a sequência das letras e a ortografia. Uma palavra lida corretamente é escrita corretamente.

c) ajuda a criança a perceber os próprios erros por meio da autocorreção.

d) ao fechar o papelzinho, dá-se o tempo necessário usado  para desviar o olhar da lousa para o caderno mantendo a forma das letras e a sequência delas na memória operacional ou de curto prazo.

e) quanto mais palavras forem lidas, mais desafiador será para a memória.

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

JOÃO E MARIA - CONTOS DE FADA


OLÁ, PESSOAL !

Mais um conto de fadas para a criançada. Mas, será que os contos de fadas são só diversão ou um filme para passar o tempo de aula?

Claro que não! Pode-se promover várias atividades com eles. Enquanto se preparam para assistir ao vídeo podemos trabalhar alguns valores como o silêncio, o respeito ao colega, etc. Após assistirem, podemos trabalhar a compreensão oral da história, e resolver dúvidas promovendo assim um diálogo entre professores (ou pais) e as crianças e colocando em prática os conceitos e valores trabalhados em outras ocasiões.



Num segundo momento, podemos pedir que  desenhem a parte que mais gostaram ou a que acharam mais emocionante. Podem fornecer alguns materiais e pedir que construam bonecos de papel ou de sucata com os personagens ou ainda, fazer fantoches, dedoches ou palitoches, para que a história fique em pauta por alguns dias. Ou ainda, que preparem com papel ou roupas velhas o figurino para que elas mesmas possam representar a história teatralmente. Esse trabalho pode ser individual ou em grupo, onde pode trabalhar a socialização e a inclusão. 

Com os desenhos pode-se fazer uma exposição na classe ou num local da escola e que possam ser vistos por outras pessoas. Já com os fantoches, dedoches e palitoches pode-se fazer um teatro, trabalhando assim a linguagem e a expressividade oral.

Só então, podemos partir para a escrita com resumos da história toda (ou parte dela) onde se trabalha a escrita, a formação de frases, a gramática, além da ampliação do repertório vocabular.

Viram como não é só diversão?

Espero que aproveitem a ideia.